Sabado, 25/09/2021
Joinville - SC

Vereadores de Urbanismo discutem restrições impostas pelo Código Florestal em Joinville

agosto 25, 2021
Vereadores de Urbanismo discutem restrições impostas pelo Código Florestal em Joinville
Compartilhar
Ouvir publicação

Empreendedores que não conseguem regularizar seu imóvel ou obter alvará de construção porque não atendem às regras de distância mínima de um rio — Joinville tem 350 microbacias — estiveram na Comissão de Urbanismo desta terça-feira (24), presidida por Diego Machado (PSDB). Para tratar do assunto, a pedido do vereador Wilian Tonezi (Patriota), os vereadores receberam também o novo secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente (Sama), Fabio João Jovita, e a procuradora-geral do município, Christiane Schramm Guisso.

A legislação ambiental vigente em Joinville, Lei Complementar nº 551/2019, foi colocada em xeque pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) no ano passado e agora estão paradas 14 licenças, totalizando R$ 80 milhões em empreendimentos, e ainda 78 requisições de alvarás de construção, segundo Jovita.

A intenção do secretário é que os pedidos voltem a andar apenas quando houver segurança jurídica, ou seja, quando a Sama entrar em um acordo com os Ministérios Públicos Estadual e Federal sobre áreas urbanas de uso consolidado. Hoje, o MPSC determina que as construções sigam o Código Florestal, uma lei nacional que determina distâncias de 15 ou 30 metros das construções até a margem do corpo d’água, impossibilitando construções, segundo empreendedores. A lei municipal é mais permissiva: distância de até cinco metros entre a construção e a margem.

A secretaria trabalha em uma proposta, que será enviada ao Ministério Público, de aplicar a LC 551 para áreas não edificáveis que tiveram perda da função ambiental. Para locais que ainda conservam a função ambiental, seria aplicado o Código Florestal.

Comissão de Urbanismo
“Até lá a gente vai manter sobrestadas [as requisições de licenças], até em razão dessa construção conjunta com o Ministério Público, o que a gente evita é a judicialização (…) A gente sabe que esse cenário de insegurança jurídica não é bom para o empreendedor, não adianta ele ter um alvará e, dois ou três dias depois, ele ser judicializado”, disse o secretário.
Para Tonezi, Joinville tem sido prejudicada desde a implantação do Código Florestal, em 2012, com limites muito restritos. O vereador diz que a situação é caótica, pois o empreendedor tem dificuldades em construir.
Em fevereiro do ano passado, após a Prefeitura impor limites menores de distância da margem de rios, na lei 551, o MPSC encaminhou “recomendação aos servidores dos setores de licenciamento e fiscalização ambiental de Joinville para que, mesmo havendo lei municipal menos restritiva, respeitem os limites estabelecidos pelo Código Florestal e pela Lei do Parcelamento do Solo na análise de projetos e emissão de licenças”.

Mudança
Tramita ainda na Câmara dos Deputados, em Brasília, o Projeto de Lei 1877/2021, que propõe flexibilizar o Código Florestal. Relator do projeto, o deputado federal Darci de Matos (PSD-SC) participou da reunião de Urbanismo por videochamada. Segundo Darci, deve ser prerrogativa dos municípios legislar sobre áreas consolidadas em seus planos diretores e leis de parcelamento do solo. “Nós temos a legislação mais complexa do mundo na área ambiental, e esse projeto vai facilitar muito a vida do joinvilense”, afirmou Darci.
O deputado pediu ao vereador Wilian Tonezi que apresente sugestões de joinvilenses para compor seu relatório, que poderá mudar o Código Florestal, diminuindo a distância mínima entre as construções e a margem dos rios. As sugestões deveriam ser enviadas até a manhã desta quarta-feira (25).

Block