domingo,

23/06/2024

Joinville/SC

Search
Close this search box.

Setor de eventos de Joinville participa de mobilização nacional pela manutenção do PERSE

No dia 7 de fevereiro (quarta-feira), empresários, profissionais, prestadores de serviços e lideranças de entidades representativas do setor de turismo e eventos de Joinville, estarão em Brasília para participar do Ato de Mobilização Nacional em Defesa do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (PERSE).

Ao lado de entidades como a ABEOC Brasil (Associação Brasileira de Empresas de Eventos), Unedestinos (União Nacional de Conventions Bureaus e Entidades de Destinos) e UBRAFE (União Brasileira de Feiras de Eventos e Negócios), a comitiva joinvilense será recebida na Câmara dos Deputados.

O objetivo é sensibilizar os parlamentares, com apoio dos que atuam em prol do PERSE, sobre a importância da manutenção do programa pelo período de cinco anos, prazo previsto na instituição da medida, por meio da Lei no 14.148, de 3 de maio de 2021.

De acordo com Luciano Coradi, diretor comercial da Expoville, empresa que também conta com o PERSE para se recuperar dos efeitos negativos da pandemia da Covid-19, a iniciativa é uma luta de todo o setor nacional de turismo e eventos.

“Além da união com outras entidades em comunicados e campanhas pela mobilização de parlamentares, o corpo a corpo com os deputados federais tem alertado sobre a importância da manutenção do PERSE, que garante não só a sobrevivência de milhares de empresas, como o emprego de milhões de trabalhadores”, afirma Coradi, também conselheiro fiscal da ABEOC.

Impulso para a retomada

O PERSE foi criado pelo Governo Federal com o objetivo de compensar setores da economia prejudicados por medidas de combate à pandemia da Covid-19, incluindo atividades como serviços de hotelaria, produção musical e teatral, restaurantes, transportes de passageiros e agências de viagem.

Entre os benefícios fiscais previstos pela medida, está a redução a zero das alíquotas do IRPJ, Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL), PIS e Cofins, pelo prazo de 60 meses.

No entanto, tendo em vista os valores expressivos referentes às renúncias fiscais concedidas por meio do PERSE (mais de R$16 bilhões até o ano de 2023) e a meta de impulsionar as receitas, o Governo Federal lançou no final do ano passado a Medida Provisória 1.202/2023 que prevê o fim gradativo do programa no período de dois anos, impactando diretamente as finanças das empresas.

Para o diretor da Messe Brasil, Richard Spirandelli, o PERSE foi crucial para o setor de feiras de negócios que ficaram impedidas de acontecer durante três anos, desde a pandemia.

Segundo ele, entre os efeitos negativos sofridos pelo setor estão a perda de mão de obra com a migração de profissionais para outros segmentos e a contração de dívidas obtidas com financiamentos.

“O setor de eventos é 100% dependente de mão de obra de prestadores de serviços. Após a pandemia, tivemos que recontratar essa mão de obra muito mais cara, impactando diretamente no caixa e na capacidade de investimentos. Além disso, as empresas de eventos tiveram que contrair financiamento para se manterem funcionando. O PERSE está ajudando a amenizar esses impactos”, reforça Spirandelli.

Joinville unida na mobilização

O Joinville e Região Convention & Visitors Bureau (JRCVB) irá representar o setor de turismo e eventos da cidade, no Ato de Mobilização Nacional em Defesa do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (PERSE), com a presença do seu vice-presidente, Richard Spirandelli, e do seu diretor de Relações Institucionais, Luciano Coradi.

Para o presidente do Joinville Convention Bureau, Giuliano de Mello, a mobilização contra a revogação do PERSE é essencial e conta com o apoio de empresas e entidades da cidade.

“Representando o setor e defendendo os interesses dos nossos associados, o Joinville Convention Bureau está presente nessa mobilização nacional. No período mais crítico da nossa história, estivemos juntos e lutamos para superar as situações extremas impostas pela pandemia. Neste momento em que ainda nos recuperamos, permanecemos unidos para que o setor de eventos continue impulsionando a economia, gerando renda e empregos”, afirma o presidente.

Você não pode copiar o conteúdo desta página
Pular para o conteúdo