Sexta, 23/07/2021
Joinville

Secretaria de Saúde apresenta ações para redução de filas de cirurgias eletivas

julho 15, 2021
Secretaria de Saúde apresenta ações para redução de filas de cirurgias eletivas
Compartilhar
Ouvir publicação

Os vereadores da Comissão de Saúde puderam conhecer as pretensões da Secretaria de Saúde para reduzir as filas de cirurgias eletivas, exames e consultas com especialistas na reunião desta semana. O órgão está realizando uma auditoria interna nos hospitais para melhorar o planejamento, explicou o secretário de Saúde, Jean Rodrigues da Silva, aos parlamentares.

Participe do grupo de Whatsapp Aconteceu em Joinville – Clique Aqui

A finalidade dessa auditoria é evitar a duplicidade de informações e otimizar o uso de recursos. A melhoria no uso de recursos deve ocorrer com um planejamento que a Secretaria está desenvolvendo para estimar todas as eventuais necessidades de um paciente assim que ele entra na fila. Isso melhoraria o próprio planejamento de contratação e licitação de insumos e exames, explicou o diretor de políticas de saúde da secretaria municipal, Andrei Kolaceke

Como resumido pelo vereador Cassiano Ucker (Cidadania) ao fim da reunião, o planejamento deve permitir que a Secretaria não fique restrita “a dar conta da semana seguinte ou de no máximo dois meses adiante; mas que seja algo de longo prazo”.

A ideia da auditoria nos hospitais, conforme o secretário, é “ver tudo o que tem parado lá [pedidos de cirurgias em unidades hospitalares] e comparar com [a fila] o que está no sistema”. A auditoria deve durar até o final de agosto.

Essa auditoria já foi iniciada no Hospital Municipal São José e deve ser realizada também nos hospitais Regional Hans Dieter Schmidt, Infantil Jeser Amarante Faria e Bethesda.

Siga-nos no nosso Instagram para receber notícias da região direto no seu celular. Para participar, basta CLICAR AQUI

O ápice das filas no município ocorreu em fevereiro, quando a cidade chegou a ter uma demanda geral por mais de 151 mil consultas com especialistas, exames e cirurgias eletivas. Há uma diferença, porém, quanto a quem cabe cada tipo de atendimento.

“O município não tem gestão direta sobre a fila de cirurgia eletiva. Nós somos demandadores. Quem autoriza é o Estado, se pode ou não fazer a cirurgia naquele momento”, observou o secretário. O que o município organiza mais diretamente é a fila de consultas com especialistas.

As filas começaram a crescer no ano passado à medida que os procedimentos foram suspensos para o direcionamento dos esforços de Saúde no combate à pandemia de covid-19, explicou Kolaceke.

Isso motivou a secretaria a desenvolver o projeto “Menos Filas”, que tem como objetivo reduzir as filas de cirurgia em 25% até o final do ano. Porém, conforme dados apresentados por Kolaceke, mutirões de cirurgias resultaram na redução da fila em 7% em junho.

Uma série de mutirões têm sido realizados com essa finalidade e já resultaram na quase extinção das filas de alguns tipos de cirurgias, como as de catarata, que em abril já estava reduzida em 99%.

Os mutirões também têm sido realizados para reduzir as filas de exames. Exames como colonoscopia, por exemplo, tiveram seguidas reduções nas filas entre março e junho.

Participe das PROMOÇÕES do AJ no You Tube – Clique aqui e se inscreva

A discussão sobre as filas foi realizada a partir de solicitação do vereador Ascendino Batista (PSD). O parlamentar pediu aos representantes da secretaria explicações sobre o que ocorre com quem se recusa a realizar uma cirurgia.

O diretor do Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, Evandro Rodrigues de Godoy, explicou que o paciente precisa “estar pronto” para a realização da cirurgia, o que demanda, entre outras coisas, exames em dia e condições favoráveis do próprio paciente.

Para exemplificar, o diretor do Regional citou as cirurgias bariátricas, que requerem não somente os exames, mas condições específicas de peso do paciente.

Caso o paciente não esteja pronto, explicou Godoy, ele fica numa espécie de reserva, enquanto os seguintes que estejam prontos vão sendo atendidos a cada vez. Quando aquele paciente estiver pronto, entra em seguida. Porém, no caso de uma recusa formal da cirurgia, como a hipótese mencionada por Ascendino, o paciente é simplesmente excluído da fila. Também participou do debate o vereador Kiko do Restaurante (PSD). Jornalismo CVJ

Não é permitido replicar o conteúdo desse site.