Sexta, 24/09/2021
Joinville - SC
Compartilhar
Ouvir publicação

Nem sempre o resultado das eleições é o que queríamos, como nem sempre é uma derrota para a cidade, estado ou país, mas pelo contrário, pode ser vitória, pois enquanto eleitores, podemos estar equivocados, ou movidos por interesses para além do bem maior, mesmo que inconscientes disso.

Também analiso as derrotas como possibilidade de livramento para o candidato derrotado, pois se ele combateu o bom combate, parafraseando termos bíblicos, a melhor resposta está no resultado, seja ele qual for.

Aparentes derrotas podem estar alinhavadas para um propósito maior, onde o mesmo poderá se fortalecer e estar muito mais bem preparado no próximo pleito eleitoral, como pode ter diante de si portas muito melhores a serem abertas, e que proporcionará possibilidades muito maiores de acionar sua missão de melhorar a sociedade, do que enquanto eleito.

Não existe derrota para quem concorreu com honestidade, dedicação e impulsionado pelo bem maior da sociedade de fato, em detrimento do seu próprio ego, status ou interesses afins, contrários ao bem comum.

Já aquele que não foi honesto, que foi movido por interesses de seus grupos afins e seus próprios, pelo seu ego e por status, tento o bem da sociedade usado apenas como forma demagógica e falaciosa para vencer, mesmo vencendo nas urnas, será o derrotado maior, e seu destino seja um muro de lamentações, um ser deprimente em sua solidão, terá acionado o mecanismo universal da autodestruição de diversas ordens, pois nascemos para o bem e para o belo, e sempre que nos desviamos do reto proceder, nos autodestruímos.

Pode-se enganar o mundo e até a sua consciência, mas a essência maior não se engana e será o mecanismo julgador e condenatório e punitivo, mesmo que o mundo não o faça, por isso não temos que julgar enquanto ponto final ninguém, pois o verdadeiro julgamento é doutra ordem, não é externo, mas interno, e sobre tal juízo e justiça ninguém está salvo de julgamento.

E miserável daquele que tenta enganar ao mundo e a si mesmo, pois sua autocondenação, mais cedo ou mais tarde, será pior que uma dose diária de fel e cicuta. Mas bem aventurado aquele que vence de fato e tem a oportunidade de transformar o mundo como este merece, assim como é aquele que não venceu, mas foi honrado em sua luta.

Como é bom sempre lembrar:  SE O MALANDRO TIVESSE CONSCIÊNCIA DAS VANTAGENS DE SER HONESTO, PROCURARIA SER HONESTO ATÉ POR MALANDRAGEM.

(by Carlos Alberto Hang, psicólogo, jornalista; SC03991, e escritor)

Block