Terça, 26/10/2021
Joinville - SC

PSICOLOGIA DO ESPORTE by Carlos Alberto Hang: resultados dos jogos…

outubro 11, 2021
PSICOLOGIA DO ESPORTE by Carlos Alberto Hang: resultados dos jogos…
Compartilhar
Ouvir publicação

Não somente por parte de muitos torcedores e jogadores, mas principalmente na equipe técnica, que percebemos uma postura egocentrista diante dos resultados obtidos, ajudando a desestruturar todo o conjunto de trabalho.

Perder uma competição não significa, necessariamente, assumir esta perda enquanto tal, mas pode servir como alavanca de aprimoramento do trabalho que já tenha sido feito, bem como de reflexão a respeito dos métodos, bem como é preciso analisar o contexto como um todo, como tipo de estrutura do time que venceu, condições atuais físicas e psicológicas dos jogadores e equipe técnica, contexto ambiental como estrutura esportiva direta (como condições dos uniformes e alojamentos), tipo de acompanhamento com psicólogo, satisfação da equipe em defender tal time, relação dos jogadores com equipe técnica e torcida e imprensa, condições do vestiário, relacionamento da equipe, condições salariais, projeções internas em percpectivas de cada qual, e afins.

Quando vence uma partida ou conquista um título, muitos acreditam ser devido a sua participação em especial. Já quando empata, buscam dividir a condição com os demais, por falta de destaque maior ter esta condição. Mas quando perde a competição, a culpa é considerada quase sempre alheia. Tais atitudes contribuem para uma desestabilização do trabalho em equipe e do desenvolvimento do mesmo.

Está para muito além dos resultados, como vencer, empatar ou perder, as conquistas que se pode obter com eles, quando os usam para reflexão, revisão, aprimoramento e fortalecimento da união de todos os envolvidos, sendo desta maneira, possibilidades de amadurecimento e de resultados melhores provavelmente advirão.

Este sistema de egocentrismo geralmente não é percebido por seus agentes, por estarem mergulhados no próprio eu. É o psicólogo do esporte que percebe e analisa esta dinâmica, e procura mediar tais situações, trabalhando com os sujeitos, tanto acionantes destes lemas antiesportivos, quando aos que sofrem com eles humilhação e desânimo.

Muitos dirigentes constumam maquiar atitudes de mudanças num período de resultados ruins nos jogos, modificando diretamente o técnico, e não poucas das vezes, este era uma das poucas peças que realmente estava segurando algum resultado positivo.

Falta muita visão de sabedoria neste contexto de culpabilização, e em muitos casos, mudar o técnico ou algum jogador, é apenas maquiar ação de quem não tem noção do que fazer. Além do mais, é preciso entender o que move tais resultados de fato, que pode estar para muito além de ter talento ou preparo físico.

A beleza da prática esportiva está em aprender a vencer e perder, e comungar as vitórias e as derrotas com toda a equipe, sem condenações, mas como ferramentas de aprimoramento de todos.
Se for só conquistas, o que está bom, pode sempre ficar melhor.

Se for somente derrotas, o que não está funcionando, pode ser suplantado com um trabalho de equipe séria e dinâmica, com grandes possibilidades de transformação positiva. Somente atitudes egoicas não produzem efeito positivo algum.

(conteúdo trabalhado em minha palestra ESPORTE & PSICOLOGIA: um casamento perfeito e necessário)

Quem é o autor deste artigo: Carlos Alberto Hang, Psicólogo, Doutor e Mestre, Jornalista (SC03991); especialista/pós-graduado em psicologia do esporte, hipnose clínica, sexologia, dependência química, MBA em Liderança e Coaching, psicopedagogia, psicanálise, educação infantil, e Ciências da Religião, com graduação também em Teologia, Filosofia, História, Letras e formação em hipnose transformacional; International Master Premium em Hipnose; Master PNL Practitioner (NLPEA Association of Excellence/USA); e escritor. Embaixador pela Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix (Genebra/Suíça), é Cônsul de Joinville – Instituto Internacional Poetas del Mundo, detentor do Oscar Brasileiro by Grupo Jornalístico Ronaldo Côrtes de São Paulo, e membro honorário imortal da Academia de Ciências, Letras e Artes de MG na cadeira 148.  INSTAGRAM: @carlosalbertohang  TWITTER: @hangjornalista  FACEBOOK: @opiniaodeumlivrepensadorbyHANG

Block