Segunda, 20/09/2021
Joinville - SC
janeiro 28, 2020
Compartilhar
Ouvir publicação

Uma linha em declive gradual apresenta um resultado animador para todos os envolvidos na implantação do Projeto Lean no Hospital São José de Joinville. Em 2019, o tempo de espera da classificação de risco até o atendimento médico no Pronto Socorro (PS) era de 417 minutos, em janeiro, e caiu para 75 minutos, em dezembro.

 a
 a

[ads1]

[ads2]

Em 2018, o tempo médio em janeiro foi de 315 minutos, e em dezembro foi de 231. Vale ainda ser considerado o aumento progressivo anual de mil pessoas, ao mês, no PS. Em 2018 eram atendidas, em média, 5 mil pessoas ao mês, em 2019 foram cerca de 6 mil.

O Lean nas Emergências é um projeto do Ministério da Saúde para reduzir a superlotação e melhorar o atendimento em emergência de hospitais que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A enfermeira Camila Alves Leandro, coordenadora do Pronto Socorro, há seis anos atuando no hospital, conta que foram eliminadas rotinas repetidas e também feitas mudanças simples, como tornar restritas as chamadas telefônicas da sala de classificação, o laboratório dar prioridade à leitura dos exames de sangue dos pacientes da emergência, assim como a eliminação de papel e a adoção de sistemas informatizados.

Anteriormente ao Lean, a média de permanência de um paciente no PS até a internação era de 4 dias, tempo que foi reduzido para 24 horas. “Para quem viu os corredores do PS lotados de pacientes, ficava té difícil acreditar numa mudança, mas os resultados são evidentes, graças também a medidas efetivadas nas enfermarias, que são os responsáveis pelas internações no hospital”, conta Camila. Segundo ela, foram reduzidos em 76% os processos que não agregam valor e melhorados em até 289% os que agregam.

Outro indicador que aponta bons resultados é o Nedocs (sigla em inglês para Escala de Superlotação do Departamento Nacional de Emergência), utilizado para medir a superlotação. Em 2019, a pontuação caiu de 543, em dezembro, para 223, em janeiro.

“Nós conseguimos melhorar, consideravelmente, a dignidade no atendimento. Ainda queremos melhorar mais, mas é um resultado importante. O processo visa sempre a humanização no atendimento ao usuário e uma maior dignidade nesse processo de atendimento de saúde”, salienta o secretário de Saúde, Jean Rodrigues da Silva.

O fluxo do PS também melhorou pela corresponsabilidade e solidariedade dos demais setores do HMSJ. O diretor Douglas Machado comenta que o Lean mexeu com a estrutura de todo o hospital. O espaço do PS foi dividido entre pacientes aguardando leitos para internação e pacientes em observação, além de ter sido estabelecida uma divisão entre as áreas de ortopedia, cirurgia geral e clínica médica. A medida dá mais conforto à equipe e aos pacientes.

A equipe de enfermagem com 83 integrantes, entre técnicos e enfermeiros, mais 6 médicos, se divide em 3 turnos. Na opinião do secretário Rodrigues, estas alterações no ambiente físico foram importantes, mas o mais relevante foi o engajamento dos servidores para o alcance do êxito.

Maioria dos atendimentos do PS não são de emergência

Dos atendimentos do Pronto Socorro, 35% são de ortopedia, 36% clínicos, 29% cirúrgicos. O HMSJ é referência absoluta para Joinville e Região em Neuro AVC, Traumatologia e Oncologia. Entretanto, o maior volume de atendimentos não é de pacientes graves.

De acordo com o protocolo do Manchester, são os de baixa complexidade que mais dão entrada no Hospital, somando 54,99%. Ou seja, pacientes que poderiam ser atendidos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Apenas 12,63% são classificados como laranja, muito urgentes; enquanto os vermelhos, que apresentam risco de morte imediato e emergência, representam 0,78%.

Participe do grupo de TELEGRAM  do Aconteceu em Joinville – Clique Aqui a

[ads1]

[ads2]

Block