Domingo, 22/05/2022
Joinville - SC
outubro 27, 2020
Compartilhar
Ouvir publicação

A Polícia Federal afirmou nesta terça-feira (27) que não encontrou elementos para incriminar o governador afastado de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), na compra dos 200 respiradores pelo governo catarinense por R$ 33 milhões com dispensa de licitação. Além de Moisés, dois ex-integrantes do governo também foram alvos da operação da polícia. A defesa do governador afastado informou que não vai se manifestar sobre a afirmação da PF.

Participe do grupo de Whatsapp Aconteceu em Joinville – Clique Aqui

Moisés nega envolvimento na compra dos aparelhos. Ele também é alvo de processo de impeachment por causa da aquisição desses equipamentos. Moisés foi afastado do governo catarinense nesta terça porque foi aceita uma denúncia contra ele em outro pedido de impeachment, relacionado ao aumento salarial dado aos procuradores de Santa Catarina.

Em junho, a Justiça de Santa Catarina decidiu encaminhar o processo da Operação O2, que investiga a compra dos respiradores, para o Superior Tribunal de Justiça (STJ). A decisão foi tomada por considerar uma possível participação de Carlos Moisés. A Constituição Federal prevê que pessoas com foro privilegiado, como governadores, devem ser processados e julgados pelo STJ. Por isso, a investigação ficou com a PF em Brasília.

Equipamentos não foram entregues

Os respiradores foram comprados em março pelo governo com pagamento antecipado e sem garantia de entrega. Apenas 50 dos 200 respiradores chegaram a Santa Catarina, mas foram confiscados pela Receita Federal por irregularidades na documentação antes de serem entregues ao estado. Segundo a Secretaria de Saúde, os aparelhos entregues não são iguais aos encomendados e não atendem os pré-requisitos para tratamento de pacientes com Covid-19. Por isso, foram destinados para uso em ambulâncias. g1.com

 

Sua empresa em destaque, Informações só clicar aqui

[ads2]

[ads1]

[ads2]

Block