Terça, 03/08/2021
Joinville
março 10, 2020
Compartilhar
Ouvir publicação
A Prefeitura de Joinville instalou dois contêineres ao lado da casa sede do Museu de Arte de Joinville (MAJ), que serão adaptados para abrigar todo o acervo da instituição.
a
 a

[ads2]

[ads1]

Os equipamentos receberão rampa de acesso, ar-condicionado, trainéis (painéis onde são pendurados os quadros) e estruturas para acondicionar as obras de arte.

Assim que estiverem prontos, os contêineres passarão a receber gradativamente as cerca de 1,1 mil peças que, atualmente, passam por completo processo de higienização, preservação e conservação.

Esse trabalho acontece desde o mês de fevereiro, realizado pela equipe do museu sob orientação e acompanhamento da equipe técnica do Centro de Preservação de Bens Culturais de Joinville (CPBC), Unidade vinculada à Secretaria de Cultura e Turismo (Secult).

De acordo com a coordenadora do MAJ, Helga Tytlik, a transferência do acervo para os contêineres foi orientada por meio de laudo técnico, emitido pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC), com o objetivo de proporcionar mais segurança e facilidade de manutenção.

Para ela, a chegada dos contêineres ao MAJ representa mais uma importante etapa de cuidado e acondicionamento do acervo, em conformidade com as normas técnicas.

“Sem o seu acervo, o museu não tem razão de existir. Conseguirmos realizar a higienização e preservação em cem por cento das obras e acondicioná-las em reserva técnica adequada, perto do museu, para facilitar o cronograma de manutenção de rotina, é um avanço”, comemora Helga.

Além dos dois contêineres instalados no MAJ, a Prefeitura de Joinville, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo (SECULT), adquiriu outros dois que serão destinados a diferentes equipamentos culturais do município. O investimento total foi de R$ 57.928,00.

Exposição no porão

Enquanto a casa sede do MAJ tem sua atividade expositiva limitada devido ao trabalho de higienização, preservação e conservação do acervo, o público pode visitar a nova exposição que ocupa o porão do museu.

Até o dia 14 de abril, o espaço recebe a mostra “Fotografia Rizomática – o trajeto da estrada imperial dona francisca revelado na cartografia de memórias”, assinada pelo fotógrafo Daniel Machado.

O trabalho, apresentado pelo artista em sua dissertação no Mestrado em Patrimônio Cultural e Sociedade, traz duas instalações que reproduzem ambientes com o uso de fotografias de pessoas e famílias moradoras da Estrada Dona Francisca.

Sua empresa em destaque, Informações só clicar aqui

[ads2]

[ads1]

[ads2]

Block