Segunda, 27/06/2022
Joinville - SC

MPF denuncia 10 pessoas por crimes relacionados à drenagem do Rio Mathias

junho 2, 2022
MPF denuncia 10 pessoas por crimes relacionados à drenagem do Rio Mathias
Compartilhar
Ouvir publicação

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou dez pessoas, entre agentes públicos e particulares, envolvidos na fase de elaboração do projeto executivo da obra de Macrodrenagem do Rio Mathias, pela prática dos crimes de falsidade ideológica qualificada e de crime de responsabilidade. Os delitos, cometidos entre 2010 e 2012, são previstos no artigo 299 do Código Penal e artigo 1º, I, do Decreto-lei 201/67, respectivamente.

Essa é apenas a primeira fase das medidas judiciais a serem apresentadas pelo MPF, relacionadas à apuração criminal referente às obras do Rio Mathias. As investigações prosseguem nos autos do Procedimento Investigatório Criminal nº 1.33.005.000455/2020-31, para averiguar outros crimes contra a administração e desvio de verbas públicas, praticados nas legislaturas seguintes (2013-2020).

Entenda o caso – Investigação do MPF constatou que a formalização do termo de compromisso celebrado entre a Prefeitura de Joinville e a União estava em desacordo com as regras estabelecidas nos Programas e Ações/Modalidades de Drenagem Urbana e Manejo de Águas Pluviais, do Ministério das Cidades. Foi possível desvendar a prática de crimes contra a Administração Pública local e federal, institucionalizada na prefeitura, e coordenada por servidores públicos ocupantes de cargos de chefia.

O não atendimento às regras estabelecidas no programa de repasse de recursos federais para financiar a obra deu início a uma contratação onerosa para os cofres públicos, fazendo com que a população pagasse mais caro para obter benfeitorias públicas com qualidade inferior, em benefício de empresas privadas e de seus representantes legais. A obra permanece até os dias atuais com custo e prazo de conclusão indefinidos.

Os crimes denunciados nesta primeira fase resultaram no pagamento de vantagens indevidas que somam, pelo menos, R$  5,7 milhões, em valores da época, cuja perda em favor dos cofres públicos foi requerida pelo MPF na ação penal.

Clique aqui para ler a denúncia. 

Block