Segunda, 27/06/2022
Joinville - SC

Motoristas de aplicativo pedem rejeição de lei sobre câmeras

junho 2, 2022
Motoristas de aplicativo pedem rejeição de lei sobre câmeras
Compartilhar
Ouvir publicação

Vereadores da Comissão de Urbanismo indicaram que devem rejeitar proposta para regulamentar o uso de câmeras em veículos do transporte por aplicativos. Motoristas e representantes da categoria se manifestaram em reunião do colegiado nesta terça-feira (31) e aproveitaram para reivindicar outras melhorias, como a previsão de mais pontos de embarque e desembarque na cidade e uma revisão da lei que regula o serviço no município (Lei 8.467/2017).

A proposta que deu origem à discussão foi o Projeto de Lei 183/2021, rechaçado por todos os motoristas que se manifestaram. A ideia do projeto era que as câmeras, ainda que não fossem obrigatórias, fossem bancadas pelo próprio condutor, ficassem no parabrisa, devendo os carros contar com identificação de que o veículo era monitorado por câmera.

A principal queixa dos motoristas é que ter de bancar as câmeras resultaria num custo excessivo. “Com o aumento da gasolina, estamos enforcados”, observou Wagner Mira, que também disse que os motoristas estão tendo de “trabalhar de dez a 12 horas por dia para levar o sustento para casa”.

O relator do PL 183/2021, o vereador Sidney Sabel (União Brasil), afirmou que fará parecer pela rejeição da proposta e abriu as portas do gabinete para que os motoristas de aplicativo levem suas reivindicações.

Autor do projeto, o vereador Henrique Deckmann (MDB) disse no início da reunião que a preocupação, na apresentação do projeto, era com a segurança dos próprios motoristas.

O presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativo de Joinville (AMAJ), Willian Tenório, afirmou que já existem aplicativos que alertam o usuário sobre a existência de câmeras, como a 99, e que outros, como o Uber, já estão em processo de implantação do mesmo sistema. Isso tornaria desnecessário o uso de selos de identificação nos carros.

Entre os motoristas presentes, apenas um afirmou ter câmera no carro.

Revisão da lei

Da mesma forma, o presidente da AMAJ afirmou que é necessária uma revisão completa da atual lei dos aplicativos. O serviço na cidade é regulado pela Lei 8.467/2017, aprovada ainda antes da norma nacional (Lei Federal 13.460/2018).

Uma reunião deve ocorrer na sede da Prefeitura na próxima quinta-feira (2 de junho) entre o Poder Executivo e os representantes dos motoristas.

Sobre uma revisão da lei, o vereador Neto Petters (Novo) destacou que está em estudo uma proposta na Prefeitura que enxugue a legislação atual, acomodando-a dentro dos preceitos da lei federal.

Petters destacou que já existe uma minuta e que até o momento seriam sete artigos em vez dos atuais 20. Antecipando o conteúdo da minuta, o parlamentar explicou que a ideia é exigir para a operação dos motoristas CNH, seguro contra acidentes, licenciamento do veículo, certidão criminal negativa e o cadastro no INSS. Isso desobrigaria a realização de cadastros na Prefeitura e exigência de tarifa das operadoras dos aplicativos, conforme o vereador.

A dúvida que resta é se um projeto de lei de revisão precisaria ser protocolada pelo Poder Executivo ou se os parlamentares poderiam apresentá-la diretamente.

Block