Sabado, 28/05/2022
Joinville - SC

Metade dos presos da Penitenciária de Joinville trabalha para conseguir diminuir a pena

fevereiro 8, 2022
Metade dos presos da Penitenciária de Joinville trabalha para conseguir diminuir a pena
Compartilhar
Ouvir publicação

Graças a um esforço conjunto entre os poderes Judiciário e Executivo, cerca de 50% dos presos da Penitenciária Industrial de Joinville possuem uma ocupação, um trabalho, para desta forma conseguirem diminuir suas penas. Atualmente, a população carcerária do estabelecimento prisional é de 843 internos, dos quais 419 trabalham. As empresas parceiras do projeto pagam um salário mínimo por trabalhador. Deste valor, o detento recebe 75% e o restante é destinado ao Fundo Rotativo da unidade.

Clique aqui e participe do grupo

de Whatsapp Aconteceu em Joinville

Regulamentado pelo artigo 126 da Lei de Execuções Penais, o instituto da remição de pena permite que o condenado que cumpre pena em regime fechado ou semiaberto diminua, pelo trabalho, parte do tempo da sentença. O abatimento é feito à razão de um dia de pena por três de serviço. A atividade é uma forma de reeducação dos presos, com o objetivo de prepará-los para o retorno ao convívio social e diminuir a reincidência.

Para o juiz da Vara de Execuções Penais da comarca de Joinville, João Marcos Buch, a remição pelo trabalho, aliada à remição pelo estudo, é de fundamental importância para a ressocialização dos apenados. “Com tais ações, o apenado passa por um processo de qualificação com conquista de cidadania, direitos e deveres, que não lhe foi propiciada antes. Melhor ainda seria que toda a população penitenciária tivesse trabalho, e é isso que se busca junto ao Departamento de Polícia Penal”, enfatiza.

O detento pode trabalhar tanto dentro da unidade prisional, submetido à supervisão da administração, quanto externamente. Porém, esta possibilidade é destinada somente aos inseridos no sistema semiaberto. A jornada de trabalho é de no máximo 8 horas diárias, com intervalos entre os períodos e descanso semanal.

O gerente de Atividades Laborais da Penitenciária, Rafael Hammerschmidt, explica que os fundos rotativos do Estado de Santa Catarina foram criados para a gestão exclusiva das unidades prisionais de cada mesorregião. “A administração desses recursos confere autonomia financeira ao sistema, visando à descentralização e estimulando o empreendedorismo como viés para a autossuficiência das unidades”, detalha. No momento, os detentos ocupam vagas no setor de cozinha e manutenção, empresas da área da construção, produção, saneamento e costura.

Block