Sexta, 27/05/2022
Joinville - SC

Mapa de risco de Covid em SC aponta duas regiões em nível alto

abril 9, 2022
Mapa de risco de Covid em SC aponta duas regiões em nível alto
Compartilhar
Ouvir publicação

A matriz de risco potencial regionalizado divulgada no dia 09 de abril aponta 02 (duas) regiões de saúde no nível Alto (amarelo): Foz do Rio Itajaí e Planalto Norte; e 15 regiões de saúde classificadas no nível Moderado (azul): Alto Uruguai Catarinense, Alto Vale do Itajaí, Alto Vale do Rio do Peixe, Carbonífera, Extremo Oeste, Extremo Sul Catarinense, Grande Florianópolis, Laguna, Médio Vale do Itajaí, Meio Oeste, Nordeste, Oeste, Serra Catarinense, Vale do Itapocu e Xanxerê.

Com o encerramento do decreto de emergência no Estado, a matriz está passando por uma transição. Neste sentido, como anunciado anteriormente, será incorporada uma nova matriz de alerta epidemiológico. A modificação ocorrerá nos próximos dias. Em um comparativo com o boletim divulgado na semana anterior, no qual todas as regiões haviam sido classificadas no nível Moderado (azul), houveram mudanças nos indicadores das regiões Foz do Rio Itajaí e Planalto Norte, especificamente na dimensão Transmissibilidade, que indicaram uma leve piora na curva de crescimento de casos.

 

Com isso, o número de reprodução efetivo (Rt), que mensura o potencial de propagação de um vírus dentro de determinadas condições para essas duas regiões, foi superior a 1, demonstrando que cada paciente transmite a doença a pelo menos mais uma pessoa, e o vírus se dissemina. Como essas duas regiões ainda apresentam a dimensão Proteção Específica classificada no nível Alto, apresentando coberturas vacinais abaixo de 80%, e a dimensão gravidade também no nível Alto, apresentando altas taxas de hospitalização e mortalidade por SRAG COVID-19, essas duas regiões acabaram sendo classificadas no nível de risco Alto (amarelo) para COVID-19 nesta semana.

A recomendação para os gestores dessas regiões é intensificar esforços para ampliar a cobertura vacinal do esquema primário (duas doses) da população em geral, além da dose de reforço para os idosos a partir dos 60 anos de idade, de forma a reduzir a gravidade e a disseminação dos casos.

O número de casos ativos sofreu redução de 95% desde o dia 29 de janeiro, quando foram contabilizados 80.251 casos. No entanto, observa-se nas duas últimas semanas uma estabilidade abaixo de 4.000 casos, demonstrando que o coronavírus se encontra presente em todo o estado. No último dia 8 de abril, foram contabilizados 3.712 casos ativos em Santa Catarina.

No entanto, a manutenção desse número de casos ativos não tem se refletido em aumento nas hospitalizações e mortes, já que as coberturas vacinais alcançadas em Santa Catarina estão protegendo boa parte da população. Os poucos casos graves e mortes que vêm sendo registrados se concentram em pessoas com esquema vacinal incompleto e, principalmente, em idosos que não receberam a dose de reforço.

O principal objetivo da matriz de risco é ser uma ferramenta de tomada de decisão. A nota final do mapa de risco considera um intervalo de variação mais adaptado para cada nível, sendo de 1 a 1,9 como moderado, 2 a 2,9 como alto, 3 a 3,9 como grave e igual a 4 como gravíssimo.

MATRIZ_Gravidade (1).png

Block