Sabado, 02/07/2022
Joinville - SC

Legislação ouve apelo por derrubada de veto sobre lei do piso podotátil

maio 17, 2022
Legislação ouve apelo por derrubada de veto sobre lei do piso podotátil
Compartilhar
Ouvir publicação

Não é todos os dias que um veto aparece na pauta das reuniões da Comissão de Legislação e o presidente do colegiado, Alisson Julio (Novo) escolheu o vereador Nado (Pros) para elaborar o parecer ao veto do prefeito Adriano Bornschein Silva (Novo) ao projeto de lei que buscava padronizar o uso de piso podotátil em Joinville. o Projeto tem como finalidade obrigar o uso da região central da calçada, de forma que não esteja rente a muros.

O veto foi motivado, conforme Adriano, a partir de documento da Secretaria de Planejamento Urbano (Sepud) que afirma que a lei está em contradição com a norma da ABNT.

Conforme a Sepud, a norma afirma que “a posição do piso tátil não é obrigatoriamente a central, devendo ser aquela que permite continuidade e evita obstáculos”.

O projeto de lei foi protocolado por Cassiano Ucker (União Brasil) e propõe que o piso podotátil, usado por cegos e demais pessoas com deficiência visual, deve estar centralizado na calçada e não junto a muros, porém, seria exigido apenas em calçadas com mais de 1,20m de largura. Também são definidas algumas outras obrigações, entre elas a necessidade de o piso ao redor ser antiderrapante e que o piso podotátil seja de concreto e que tenha contraste de luminância.

Pouco após a escolha, Nado ouviu foi um apelo de Sérgio Suldóvski, ex-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comde) e assistente administrativo municipal cedido para trabalhar na Associação Joinvilense para Integração dos Deficientes Visuais (Ajidevi), pela derrubada do veto.

Segundo Suldóvski, a norma citada na justificativa do veto, a NBr 16.537/2016, está em revisão no órgão inclusive por um pedido do Comde e que deve contemplar as mudanças sugeridas no projeto de Cassiano. O projeto, aliás, lembrou Suldóvski, foi elaborado em com a participação direta do conselho. Segundo ele, Joinville pode sair na frente de outros lugares do país se adotar a lei proposta.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Block