Segunda, 16/05/2022
Joinville - SC

Filho que matou mãe no Iririú é condenado a 45 anos de prisão

abril 11, 2022
Filho que matou mãe no Iririú é condenado a 45 anos de prisão
Compartilhar
Ouvir publicação

O homem acusado de matar a própria mãe, com um golpe de mata-leão foi condenado a 45 anos de prisão.  O julgamento ocorreu nesta segunda-feira (11). Leonardo Schmitz Tasca tirou a vida da própria mãe com um “mata leão” e manteve o corpo no interior da residência onde morava com a vítima por quatro dias. Período que chegou a receber amigos para uma festa.

Leonardo recebeu a sentença de homicídio quadruplamente qualificado, por motivo fútil, asfixia, recurso que impossibilitou a defesa da vítima e feminicídio. O resultado foi divulgado no começo da noite.

Crime

Albertina Schmitz Tasca, de 61 anos, foi morta dentro de casa. Seu filho a estrangulou com o golpe após uma discussão. Em seguida, Leonardo enrolou o corpo da mãe em um lençol e colocou dentro do banheiro.

O corpo de Albertina só foi descoberto quatro dias depois, pela filha mais velha da vítima. O imóvel estava trancado pois Leonardo, que morava com a mãe, fugira levando duas televisões 50 polegadas e o carro dos pais.

A filha acionou a PM, que após buscas encontrou o assassino junto com outras duas pessoas sem participação no crime. Ele foi preso e na delegacia confessou o assassinato. Leonardo possui passagens por furto e lesão corporal.

Ele afirmou também que depois do crime voltou à casa dias depois para buscar alguns pertences e que chegou a realizar festas para amigos na residência. O mesmo relato foi feito com riqueza de detalhes pelo jovem em depoimento ao delegado de Polícia Civil, Roberto Patella Júnior, que liderou os procedimentos da prisão em flagrante.

“Ele tinha um desentendimento frequente com a mãe, relatado inclusive por testemunhas, no qual ela mantinha sempre a porta do quarto dela trancada quando estava em casa para evitar que ele entrasse lá, porque ela tinha medo dele. O crime ocorreu durante uma dessas discussões”, aponta.

Filho foi condenado por homicídio quadruplamente qualificado, por motivo fútil, asfixia, recurso que impossibilitou a defesa da vítima – Foto Divulgação/JPnews

 

Block