Quarta, 27/10/2021
Joinville - SC

Filho de Joinvilense é dopado e jogado ao rio dentro de uma mala no RS

agosto 5, 2021
Filho de Joinvilense é dopado e jogado ao rio dentro de uma mala no RS
Compartilhar
Ouvir publicação

A madrasta do menino Miguel dos Santos Rodrigues, de 7 anos, foi transferida, nesta quarta-feira, para o Instituto Psiquiátrico Forense, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Bruna Nathiele Porto da Rosa, de 23 anos, e a mãe da criança, Yasmin Vaz dos Santo Rodrigues, de 26, estão presas após esta última ter confessado que espancou, dopou o filho com um antidepressivo, o colocou numa mala e o lançou no Rio Tramandaí, em Imbé, no litoral do estado, na madrugada do último dia 29.

Participe do grupo de Whatsapp Aconteceu em Joinville – Clique Aqui

O pai do menino, João Pedro Ewert, de 28 anos, natural de Joinville afirmou ter um sentimento de impotência com a situação. Ele conheceu a mulher durante uma viagem para o Rio Grande do Sul. Na cidade de Nova Prata, conheceu a mulher, com quem teve um relacionamento e acabou morando junto. A relação não deu certo e ele acabou voltando para Joinville.

“Quando eu saí de lá eu não sabia que ela estava grávida, então quando eu já estava pra cá, em torno de uns dois meses, ela descobriu a gravidez.” – disse. João convidou a mulher para morar em Joinville, mas como ela era muito jovem não queria ficar longe dos pais.

De acordo com o delegado responsável pela investigação, Antonio Carlos Ractz Júnior, o motivo da transferência de Bruna, conforme o informado pela Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susep), foi o fato de que ela teria tentado tirar a própria vida. Antes, a mulher estava na Penitenciária estadual Feminina de Guaíba, na Região Metropolitana, onde Yasmin permanece presa.

O delegado informou ainda que requisitou, na noite desta quarta-feira, a reconstituição do crime ao Instituto-Geral de Perícias e aguarda o agendamento da data. Antonio Carlos também pediu a coleta de material biológico de Yasmin e Bruna. Segundo o policial, vizinhos das suspeitas, que moram na área central de Imbé, estão sendo ouvidos.

O caso

De acordo com o depoimento de Yasmin à polícia, ela e Bruna saíram da residência com a mala onde estava Miguel e o arremessaram no rio. A madrasta do menino, porém, nega participação no crime e diz que a mãe agiu sozinha. Desde então, o Corpo de Bombeiros faz buscas no Rio Tramandaí pelo menino.

As primeiras informações apuradas pelos policiais civis apontam que o menino vivia sob intensa tortura física e psicológica, mantido em uma peça de um metro quadrado, nos fundos da moradia. A criança ficava até mesmo trancada dentro de um armário.

Varredura acontece até sob as pontes e também na beira-mar | Foto: Renato Dias / Correio do Imbé / Especial / CP

Block