Sabado, 28/05/2022
Joinville - SC

PSICOLOGIA DO ESPORTE estresse x rendimento esportivo

PSICOLOGIA DO ESPORTE estresse x rendimento esportivo
Compartilhar
Ouvir publicação

Assim como ocorre com todo e qualquer ser humano, altos e constantes níveis de estresse prejudicam o desempenho, seja de caráter físico, seja mental, e é mais preocupante no contexto esportivo, o qual exige rendimento no mínimo satisfatório dos atletas para que se mantenham na competição e no trabalho, sendo facilmente descartados e substituídos quando não promovem os resultados esperados, assim como de sua equipe técnica.

Atletas passam por múltiplas situações de caráter estressante no dia a dia, e conforme ocorre acúmulo delas, e sem encontrar canos de escape para suplantar isso tudo e nem tido capacidade de trabalhar a respeito, seu funcionamento físico e psicológico responde em danos como: inibição, vulnerabilidade a se machucar e sentir dor, sente-se cansado facilmente, arrisca-se inadequadamente, age por precipitação, atua com lentidão, torna-se impulsivo, comete erros sobre ações que já dominava, sente-se desmotivado, irrita-se com extrema facilidade, entre outros sintomas correspondes, sendo a origem do estresse de diversas possíveis fontes, desde pressão exagerada do corpo técnico, limites físicos e mentais, entre outros, até mesmo questões de caráter financeiro, familiar, sexual ou amoroso.

Estresse é natural que tenha todo ser humano, sendo a diferença vista sobre aqueles que aprenderam a lidar com este fator e, mais do que isso, aprenderam a utilizar a carga negativa do estresse como fator impulsionante de seu próprio sucesso.

O trabalho do PSICÓLOGO DO ESPORTE pode servir de precaução destas situações, amenização dos sintomas ou de restabelecimento do equilíbrio do atleta, além de ensinar como usar este estresse negativo em benefício do próprio atleta.

Por mais incrível que possa parecer, um dos promovedores do estresse está naquele elemento que teria o papel de promover rendimento melhor, como alguém que é responsável por um time, um técnico e afins, que não aprendeu a lidar com o ser humano adequadamente, e percebe o outro como apenas integrante de uma massa coletiva, acreditando existir uma única maneira de lidar com todos, bem como pode até ter conhecimento técnico do esporte, mas tem um repertório empobrecido diante do trato humano, especialmente no caráter psicológico, e este não estando de acordo, tudo o mais é trabalho em vão.

(conteúdo trabalhado em minha palestra ESPORTE & PSICOLOGIA: um casamento perfeito e necessário)

Quem é o autor deste artigo: Carlos Alberto Hang, Psicólogo, Doutor e Mestre, Jornalista (SC03991); especialista/pós-graduado em psicologia do esporte, hipnose clínica, sexologia, dependência química, MBA em Liderança e Coaching, psicopedagogia, psicanálise, terapia cognitivo comportamental, educação infantil, e Ciências da Religião, com graduação também em Teologia, Filosofia, História, Letras e formação em hipnose transformacional; International Master Premium em Hipnose; Master PNL Practitioner (NLPEA Association of Excellence/USA); e escritor. Embaixador pela Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix (Genebra/Suíça), é Cônsul de Joinville – Instituto Internacional Poetas del Mundo, detentor do Oscar Brasileiro by Grupo Jornalístico Ronaldo Côrtes de São Paulo, e membro honorário imortal da Academia de Ciências, Letras e Artes de MG na cadeira 148. INSTAGRAM: @carlosalbertohang TWITTER: @hangjornalista FACEBOOK: @opiniaodeumlivrepensadorbyHANG

Block