Quarta, 29/06/2022
Joinville - SC

Estagiária da comarca de Joinville será intérprete de linguagem de sinais em audiência

junho 8, 2022
Estagiária da comarca de Joinville será intérprete de linguagem de sinais em audiência
Compartilhar
Ouvir publicação

Em mais um dia normal de trabalho no setor psicossocial do fórum da comarca de Joinville, a estagiária Daisy Martins de Oliveira recebeu no e-mail corporativo uma mensagem interna que para ela soou como um chamado. Alguém precisava ser ouvida, e ela soube que podia dar a voz. A 2ª Vara da Família procurava por um servidor(a) para ser intérprete em uma audiência. Daisy, além de acadêmica de Serviço Social e Direito, também é fluente em libras, e rapidamente respondeu o comunicado se prontificando.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube! 

 

“Sabemos que a terminologia jurídica é de difícil compreensão para as pessoas que não são do meio. Uma pessoa com deficiência auditiva muitas vezes escreve da forma que fala, de modo que a sua leitura pode restar prejudicada por esse conflito de linguagem.

No âmbito do Serviço Social vemos como as intervenções são importantes e como ajudam na emancipação dos sujeitos. Assim, quando recebi o e-mail percebi que atendia os quesitos para poder auxiliar a parte, por ser capacitada e conhecer as suas dificuldades”, explica.

“O objetivo é sempre aproximar o cidadão do judiciário. Na Vara da Família tramitam processos que lidam diretamente com o núcleo da sociedade, com o futuro das crianças, com sentimentos, assim precisamos dar voz aos jurisdicionados, não apenas por meio das peças técnicas. Então é preciso que a parte se expresse de maneira plena”, enfatiza o juiz Luiz Carlos Cittadin da Silva, titular da 2ª Vara da Família da comarca de Joinville.

 

Daisy é deficiente auditiva unilateral e sua irmã bilateral, por isso ela ressalta conhece bem as vulnerabilidades que a comunidade surda enfrenta no seu cotidiano. “Devido a minha experiência pessoal vivencio junto com eles as dificuldades.

Dependendo do grau da deficiência é criada uma co-dependência familiar, pois, em diversos serviços públicos e particular dificilmente o deficiente auditivo encontra uma pessoa capacitada para atender suas necessidades em pedidos considerados simples, como marcar uma consulta por exemplo. Então fico muito feliz em poder contribuir e ajudar aqueles que possuem um grau de deficiência maior que a minha”.

A audiência está com data a ser definida, mas desde já o magistrado engrandece a disponibilidade da estagiária em colaborar. “Descobrimos um talento dentro do Judiciário, e devemos valorizar a empatia que ela teve. Ao final a parte se sentirá acolhida, ouvida pelo Judiciário em sua totalidade, com seus direitos preservados e respeitados”, finaliza.

 

Block