Sabado, 13/08/2022
Joinville - SC

Emboscada, traições e até atentado contra PM marcam pauta do júri de julho em Joinville

julho 1, 2022
Emboscada, traições e até atentado contra PM marcam pauta do júri de julho em Joinville
Compartilhar
Ouvir publicação

O Tribunal do Júri da comarca de Joinville tem nove sessões agendadas para o mês de julho. Crimes de feminicídio motivados por ciúmes e com envolvimento de facções criminosas predominam entre os casos.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube!

Confira a agenda:

5/7

O primeiro júri do mês trata de um feminicídio com uso de arma branca ocorrido em novembro de 2020, no bairro Vila Nova. A vítima foi esfaqueada no pescoço e mãos. O crime, no contexto de violência doméstica, foi praticado com recurso que dificultou a defesa da ofendida, após discussão. A denúncia relata que, quando a mulher gritou por socorro para chamar a atenção dos vizinhos, o réu atacou-a repentina e seguidamente, antes que pudessem intervir e socorrê-la.

7/7

Nesse júri, o Conselho de Sentença decidirá sobre o destino de dois réus acusados de homicídio com arma de fogo ocorrido em setembro de 2019, no bairro Itaum. Consta na denúncia que a função de um dos envolvidos foi conduzir o comparsa e dar-lhe fuga. O segundo acusado participou ativamente do crime mediante auxílio material, ao entregar aos comparsas – poucas horas antes dos fatos – a arma utilizada, ciente da intenção daqueles. A guerra entre facções criminosas foi apontada como o motivo propulsor.

 

11/6

Nesta sessão, um caso ocorrido em maio de 2021, no interior da rodoviária da cidade, localizada no bairro Anita Garibaldi. A vítima foi morta a facadas, após ser surpreendida quando dormia ao lado da ex-companheira do denunciado. O crime foi cometido mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, pois foi surpreendida pelos golpes enquanto dormia, ocasião em que não esperava ser agredida.

12/7

O crime analisado neste dia ocorreu em junho de 2007, no bairro Bom Retiro. Trata-se de uma tentativa de homicídio com uso de arma branca. A vítima foi atingida no peito e nas costas, sem chances de se defender.

14/7

O descumprimento de regras impostas por uma organização criminosa foi o motivo propulsor de um homicídio ocorrido em janeiro de 2019, no bairro Jardim Paraíso. Os quatro envolvidos no assassinato com uso de arma de fogo serão julgados nesta sessão. Consta na denúncia que o homicídio se deu por emboscada e dissimulação, uma vez que a vítima acreditava estar seguindo para uma missão imposta pela facção da qual todos faziam parte.

19/7

Nesta sessão do Tribunal do Júri, o Conselho de Sentença decidirá sobre um caso de tentativa de homicídio ocorrido em novembro de 2013, no bairro Costa e Silva, em Joinville. O réu, que era companheiro de quarto da vítima, esfaqueou o homem pelas costas em um momento de distração, sem possibilidade de qualquer reação, segundo denúncia do MP.

21/7

Nesta sessão, dois homens serão julgados por homicídio com uso de arma de fogo ocorrido em junho de 2020, no bairro Bucarein. Outros dois envolvidos ainda não foram identificados. Consta na denúncia que um dos acusados foi o mandante e o outro, o responsável por levar a vítima até o local da execução, onde já era esperada pelos comparsas na ação. O delito foi praticado mediante pagamento de recompensa e o motivo propulsor foi torpe, em razão de desacertos comerciais e financeiros envolvendo a empresa de que a vítima e um dos denunciados eram sócios. O crime também foi praticado com dissimulação e recurso que dificultou a defesa da vítima.

26/7

Nesta sessão será julgado um caso de homicídio ocorrido em setembro de 2001, no distrito de Pirabeiraba. No banco dos réus, uma mulher acusada de ser a mandante do crime. A vítima era a atual namorada do seu ex-companheiro. O segundo réu é o autor dos disparos.

28/7

O último júri do mês é sobre uma tentativa de homicídio contra um policial militar. O delito foi registrado em abril de 2021, no bairro Petrópolis. O réu “jogou” o carro que conduzia em cima da vítima, com o objetivo de fugir de uma blitz. O resultado morte somente não ocorreu por circunstâncias alheias à vontade do denunciado, pois o PM conseguiu, em uma atitude rápida, desviar-se do automóvel, que foi contido somente com o auxílio de reforços.

Block