Segunda, 08/08/2022
Joinville - SC

Consumidores com mais de 50 anos lideraram as compras na internet em 2021

abril 9, 2022
Consumidores com mais de 50 anos lideraram as compras na internet em 2021
Compartilhar
Ouvir publicação

O público com mais de 50 anos mostrou o seu poder de compra em 2021. A faixa dos 50+ foi a única que cresceu entre os consumidores do comércio eletrônico no ano passado, respondendo por 33,9% dos pedidos online. Esta foi a primeira vez que esta faixa etária ultrapassou a dos adultos de 35 a 49 anos (33,2%), historicamente o maior público que compra pela internet. Os dados são da pesquisa Webshoppers, da consultoria NielsenIQ Ebit, em parceria com a Bexs Pay. O estudo é realizado desde 2001.

“Este consumidor mais maduro está cada vez mais aberto a usar a tecnologia e os sites também estão mais intuitivos, o que facilita a navegação”, conta o diretor de e-commerce da NielsenIQ Ebit, Marcelo Osanai.

Os consumidores mais velhos compram, principalmente, artigos de construção e ferramentas, sendo que 51% das compras do segmento foram feitas por maiores de 50 anos; saúde (43%); e eletrodomésticos (42%).

E-commerce em 2021
O comércio eletrônico movimentou R$ 182,7 bilhões no ano passado, um crescimento de 27% com relação a 2020 – quando o setor faturou R$ 143,6 bilhões. Ao todo, 87,7 milhões de brasileiros fizeram 400 milhões de pedidos em 2021. Deste total de consumidores, quase 13 milhões compraram pela primeira vez na internet.

Apesar de positivo, o aumento das vendas online em 2021 ficou abaixo do ano anterior, quando cresceu 41%. De acordo com a consultoria, explicam esta desaceleração a inflação – que reduz o poder de compra da população – e a reacomodação do e-commerce, com a reabertura das lojas físicas.

O tíquete médio geral das vendas ficou em R$ 443, uma alta de 5% sobre 2020, sem descontar a inflação. O celular é o meio mais usado nas compras online: 59% dos pedidos foram feitos em dispositivos móveis (239,6 milhões de encomendas), que respondem por 53% do faturamento (R$ 95,4 bilhões) – uma alta de 32% sobre 2020. No ano passado, o ticket médio das compras em mobile foi de R$ 398 (+6% vs. 2020). 

E-commerce cross-border
O número de consumidores que buscam comprar de lojas online estrangeiras teve aumento acima do total geral do mercado brasileiro: o faturamento subiu em 60%, em relação a 2020, chegando a R$ 36,2 bilhões. Compras em sites estrangeiros já representam 17% do total movimentado pelo e-commerce brasileiro.

Conforme o levantamento da NielsenIQ Ebit, 68% dos entrevistados fizeram compras cross-border em 2021 e 71% pretendem manter a prática em 2022. Para 63% destes consumidores, o maior atrativo dos sites de e-commerce estrangeiros são os preços mais baixos. A diminuição dos prazos de entrega também atrai muita gente.

“A avaliação dos brasileiros aos sites estrangeiros é a melhor dos últimos três anos, em grande parte por conta da redução no tempo de entrega. O brasileiro tem apetite por consumir produtos do exterior”, afirma Marcelo Orsanai.

A maior integração de métodos de pagamento locais em lojas virtuais estrangeiras também favorece o e-commerce cross-border. “O que antes era restrito a uma pequena parcela da população, a que tinha cartão de crédito internacional, agora pode ser acessado por mais pessoas, seja via boleto, cartões nacionais ou mesmo o Pix”, avalia Luiz Henrique Didier Jr, CEO da Bexs Pay.

Confira mais dados da pesquisa Webshoppers sobre o desempenho do comércio eletrônico brasileiro em 2021:

Renda

O hábito de compras de supermercado por meio de plataformas digitais foi consolidado em 2021

  • Os que ganham entre 4 e 10 salários-mínimos responderam por 33,2% das vendas online totais no Brasil, uma alta de 1,7 ponto porcentual sobre 31,5% do ano passado;
  • Consumidores que ganham até 4 salários-mínimos recuaram de 51,9%, para 50,9%;
  • Os que ganham acima de 10 salários-mínimos passaram de 16,6%, para 15,9%.

Frete grátis
O número de pedidos sem custo de envio aumentou em 10 pontos percentuais em 2021, chegando a 47% do total. Nas compras em apps de delivery de supermercado, 53% dos consumidores tiveram frete grátis na última compra.

Alimentos e bebidas
A categoria de alimentos e bebidas foi a que mais se destacou em número de pedidos: alta de 107% sobre o ano anterior. A maior expansão de vendas foi de hortifrutigranjeiros (119,4%), sobremesas & confeitaria (50,8%), bomboniere (48,9%), matinais (29,2%) e mercearia (22,7%).

Produtos com mais peso
As categorias que mais pesam no faturamento do setor no ano passado são: eletrodomésticos (21%), telefonia (20%), casa e decoração (11%) e informática (10%).

Homens x mulheres
Os homens responderam por 53,5% do valor das compras, enquanto as mulheres fizeram 57,4% dos pedidos. Isso significa que enquanto elas geram mais pedidos, com menor valor e maior diversidade, eles adquirem mais produtos com valor agregado e artigos eletrônicos e de informática. O tíquete-médio deles é 35% maior que a média de gasto delas: R$ 555 contra R$ 359.

Regiões do Brasil
A região Sudeste lidera o ranking, com 63% de todo o total de vendas — uma alta de 21% em relação ao ano anterior. Na sequência, aparecem as regiões Sul (15%), Nordeste (12%), Centro-Oeste (7%) e Norte (3%). A última região – ainda que sua participação no total seja a menor – foi a que mais registrou aumento na comparação com 2020, com uma alta de 31% nas vendas.

Período de mais vendas

  • Os meses de janeiro a abril impulsionaram o crescimento das vendas totais do e-commerce em 2021;
  • Houve um crescimento expressivo durante o primeiro semestre de 2021, totalizando 41%;
  • O segundo semestre contribuiu com 17% das vendas versus 2020;
  • Os shoppers concentraram suas vendas de segunda a quinta-feira.

Produtos mais comprados fora do Brasil
As categorias mais compradas em sites estrangeiros, no ano passado, foram:

  • Moda (38%);
  • Eletrônicos (36%);
  • Casa e decoração (24%).

Plataformas estrangeiras mais comuns

  • Shopee (56%, contra 8% em 2020);
  • Aliexpress (44%, contra 52% no ano passado);
  • Amazon (44%, ante 49% em 2020);
  • Shein (21%).

Fonte: Revista Varejo SA

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Block