Quarta, 29/06/2022
Joinville - SC

Comissão barra condenados pela Lei Maria da Penha em cargos efetivos

fevereiro 8, 2022
Comissão barra condenados pela Lei Maria da Penha em cargos efetivos
Compartilhar
Ouvir publicação

A Comissão de Legislação aprovou nesta segunda-feira (7) parecer favorável do vereador Alisson (Novo) à aprovação da Proposta de Emenda à Lei Orgânica nº 2/2022, de autoria da Prefeitura, que visa proibir a nomeação de pessoas condenadas pela Lei Maria da Penha em cargos efetivos em Joinville. Atualmente, essa proibição já vigora para os cargos de livre nomeação, também chamados de cargos comissionados.

Clique aqui e participe do grupo

de Whatsapp Aconteceu em Joinville

O prefeito Adriano Silva (Novo) alega que o projeto reflete maior segurança no provimento e visa a preservação da moralidade administrativa. A proposta vai ao encontro do que já é praticado, segundo o mandatário, em diversos municípios brasileiros, inclusive catarinenses, como Blumenau, Penha e Laguna.

A emenda, se aprovada, acrescentará um inciso no artigo 111-A na Lei Orgânica de Joinville. A proibição de nomear condenados pela Lei Maria da Penha em cargos efetivos, ou seja, que requerem aprovação prévia em concurso público, somente valerá para os casos transitados em julgado e cuja pena ainda não tenha sido integralmente cumprida.

Como toda proposta de emenda à Lei Orgânica, a de número 2 de 2022 precisará passar por duas votações em plenário, com pelo menos 13 votos favoráveis em cada uma. Caso isso ocorra, a própria Câmara a promulgará a alteração.

Vistas
Outra proposta de emenda à Lei Orgânica que estava em pauta, a de número 6 de 2021, também de autoria do prefeito Adriano Silva, também estava com o parecer do vereador Alisson pela aprovação prestes a ser votado. Só que o vereador Lucas Souza (PDT) pediu vistas.

Essa proposta quer acabar com a obrigatoriedade da autorização legislativa para que a Prefeitura possa firmar convênios com entidades sem fins lucrativos, bem como fazer subvenções sociais e pagar auxílios diversos. Adriano Silva alegou que o Supremo Tribunal Federal já pacificou essa questão sob o ponto de vista constitucional.

O entendimento é o de que, se os vereadores aprovam a Lei Orçamentária Anual, então não há razão para uma segunda autorização legislativa para movimentação de um dinheiro que já teve sua destinação previamente deliberada.

O parecer de Alisson, em linhas gerais, concorda com o argumento. O vereador, contudo, fez uma emenda para manter sob autorização legislativa os auxílios e subvenções sociais. Para Alisson, só os convênios, de fato, se enquadram no que o STF já pacificou.

Lucas, contudo, acha que a proposta ataca a independência dos poderes. Todo vereador pode pedir vistas a qualquer projeto, caso tenha dúvidas. O pedido de vistas dura 24 horas.

Aconteceu em Joinville no Twitter – Clique Aqui 

Aconteceu em Joinville no Tik Tok – Clique Aqui 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Block