Segunda, 04/07/2022
Joinville - SC

Águas de Joinville explica criação de gratificação aos diretores da companhia

junho 7, 2022
Águas de Joinville explica criação de gratificação aos diretores da companhia
Compartilhar
Ouvir publicação

Comparação com salários pagos por outras empresas, meritocracia e retenção de talentos foram as razões que embasaram o conselho administrativo da Companhia Água de Joinville (CAJ) a aprovar o pagamento de gratificação aos diretores da companhia, vinculada ao Programa de Participação de Resultados (PPR). As justificativas foram apresentadas pelo presidente do conselho, Marcelo Hack, durante a sessão ordinária desta segunda-feira (6).

Inscreva-se em nosso canal no YouTube!

Além de Hack, o diretor-presidente da CAJ, Giancarlo Schneider, foi ouvido pelos vereadores no plenário da CVJ. Os representantes da CAJ participaram do encontro a partir de um requerimento aprovado pelos vereadores na semana passada. Entre os motivos citados para a aprovação do requerimento, os parlamentares citaram que a sociedade estaria revoltada com a decisão da empresa, que poderia pagar, com as gratificações, até R$ 170 mil mensais para ocupantes de postos de comando da empresa.

Na quinta-feira da semana passada (2), o conselho de administração da CAJ decidiu recuar na criação da gratificação.

Explicações

Diretor-presidente da Águas, Giancarlo Schneider, apresentou as ações da empresa / Foto: Mauro Arthur Schlieck
Diretor-presidente da Águas, Giancarlo Schneider, apresentou as ações da empresa / Foto: Mauro Arthur Schlieck

A partir da apresentação dos vereadores sobre as razões que motivaram o convite aos representantes da Águas, Giancarlo teve tempo livre para expor seus argumentos. Entretanto, o diretor-presidente dedicou sua fala para explicar as melhorias em processos adotadas pela CAJ.

Coube a Marcelo Hack explicar a aprovação do pagamento de gratificações. O presidente do conselho contou que uma pesquisa de mercado teria demonstrado que empresas do mesmo setor da CAJ pagariam salários melhores que a empresa pública joinvilense. Para não aumentar salários, segundo Hack, o conselho então entendeu que a remuneração variável seria a forma mais sensata de fazer a retenção dos talentos da empresa.

Hack ainda justificou que a empresa determinou metas agressivas que elevariam a empresa a níveis internacionais e que, conforme as metas, se o cliente da CAJ não estivesse satisfeito com a empresa, presidente, diretores e funcionários não teriam direito às bonificações.

Já na parte final da sessão, a partir de um questionamento do vereador Sidney Sabel (União), Hack afirmou que o prefeito Adriano Silva (Novo) aprovou a remuneração global prevista pelo conselho, ainda que não a divisão interna dos valores, que caberia à empresa.

Desistência

Marcelo Hack explicou que o conselho voltou atrás da ideia de pagamentos das bonificações porque ouviu a sociedade através dos posicionamentos dos vereadores. Hack acrescentou que “a empresa talvez ainda não esteja preparada para esse tipo de remuneração”.

Visões

Vereadores acompanham apresentação da Águas / Foto: Mauro Arthur Schlieck
Vereadores acompanham apresentação da Águas / Foto: Mauro Arthur Schlieck

Durante a discussão na sessão, houve vários temas abordados, entre eles a expansão da rede de esgoto e os possíveis impactos financeiros para as famílias joinvilenses que viriam das ligações; os buracos no asfalto das ruas; e outras situações. Porém, alguns vereadores buscaram retomar o tema da gratificação e destacaram que faltou uma consulta à Câmara sobre a decisão.

Diego Machado (PSDB), por exemplo, observou que os dados de planejamento apresentados por Schneider já tinham sido apresentados em outras reuniões da Câmara, quando a diretoria da Águas esteve presente. Para o parlamentar, a CVJ precisa ser consultada antes de decisões em que dinheiro público esteja envolvido. Nesse sentido, o vereador ainda recordou que a Casa aprovou um empréstimo de 45 milhões de euros da empresa pública com a Agência Francesa de Desenvolvimento.

Outra abordagem dos vereadores foi questionar a diferença de valor do PPR para a diretoria em relação aos demais trabalhadores da empresa. Brandel Junior (Podemos) frisou que não é contra o PPR da diretoria para baixo, mas que é contra a diferença para os cargos mais elevados. “Gerência e produção tem que ser valorizado”, afirmou, enquanto dizia para os diretores: “Vocês têm que entender que estão numa missão”.

Por outro lado, o vereador Cassiano Ucker (União Brasil) disse acreditar na meritocracia, e disse não ser contra o PPR, mas afirmou que seria preciso revisar os valores propostos, em especial quando a Câmara discute possibilidades de expansão da área urbana. Isso requereria manter esses valores para futuros investimentos da companhia, segundo o vereador.

Presidente da Casa, o vereador Maurício Peixer (PL) reforçou que acompanhou a transformação dos serviços de água e esgoto em Joinville quando a CAJ foi criada, assumindo os trabalhos que eram tocados até então pela Casan. Peixer ainda observou que “serviço público é diferente”, ao comentar a alta taxa de trocas no comando da empresa, citada por Hack. Peixer destacou que presidência e diretoria de empresa pública são funções de confiança e que podem ser trocadas, sendo espaços de “contribuição com a sociedade”.

O vereador Neto Petters (Novo) disse entender que a Águas tem o objetivo de melhorar o serviço e que tem preocupação com a transparência. Esse foi o motivo para parabenizar a empresa por ouvir os funcionários e decidir pelo recuo no momento. Petters voltou ainda a frisar que a cúpula da empresa não recebeu os valores diferenciados do PPR.* Com a colaboração de Sidney Azevedo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Block