Home » Carlos Alberto Hang » Psicologia do Esporte: Atletas e empresários esportivos do século 21… by Carlos Alberto Hang
VOGEL PAINÉIS
Atletas e clubes esportivos que deixam para investir em tecnologia e em psicologia, como ferramentas de trabalho, somente quando melhora a situação financeira, é como um doente que resolve que irá comprar remédio quando ficar melhor, ou um empresário que corta o investimento em propaganda quando sua empresa está começando ou falindo, notoriamente certificando se tratar de péssimos empreendedores.

Psicologia do Esporte: Atletas e empresários esportivos do século 21… by Carlos Alberto Hang

Atletas e clubes esportivos que deixam para investir em tecnologia e em psicologia, como ferramentas de trabalho, somente quando melhora a situação financeira, é como um doente que resolve que irá comprar remédio quando ficar melhor, ou um empresário que corta o investimento em propaganda quando sua empresa está começando ou falindo, notoriamente certificando se tratar de péssimos empreendedores

 

Da mesma forma que um empresário comete o grave erro ao cortar os investimentos em mídia, quando a situação da empresa esta ruim, pensando que isso seria economia de urgência, ocorre com empresários do esporte que deixam para investir num profissional da psicologia quando a situação do clube e do atleta estiver melhor.

Isso é uma visão totalmente distorcida de um empreendedor de fato e de sucesso. É como resolver que irá comprar remédio quando estiver se sentindo melhor, e só mostra o amadorismo e visão ultrapassada dos dirigentes de clubes ou de atletas, sinalizando a falta de compreensão da importância desta ferramenta para se atingir o sucesso esperado. É como se deixasse o esportista treinar sozinho até poder contratar um treinador profissional, logo perda de tempo, se não desistir da empreitada por falta de suporte de um profissional da psicologia e coaching.

E, doutro lado, temos aqueles que investem neste segmento, mas contratando um profissional, que até possa ser diplomado, mas sem visão atual do trabalho a ser feito, o qual se sujeita a isso por salário simbólico, que até acredita estar ganhando bem, como o empresário de que está investindo adequadamente, pois ambos não têm noção do que se trata isso tudo, profissionalmente, e o resultado provável, aqui já podemos delinear.

Depois vem o resultado, ou melhor, não vem resultado nenhum positivo, assim como já ouvi dirigentes de clube de futebol dizendo que isso não funciona, que já tiveram psicólogos trabalhando com o clube e nada melhorou e etc, de besteirol de quem está totalmente desatualizado e equivocado quando ao trabalho da psicologia e que, provavelmente, teve como este resultado mental diante do tipo de investimento que fez, isto é proporcional ao mesmo, ou pela falta de sorte de contratar um profissional de fato.

Se um clube não tem 8 à 30 mil (mais ou menos, pois é conforme a carga horária e o caráter de exclusividade ou não, que no caso de clubes é necessário que assim 0 seja, sendo difícil doutra maneira desempenhar um trabalho adequado e com resultados esperados, pois o profissional costuma viajar nas competições) para investir num profissional pelo menos, que nem ouse se chamar de clube futebolístico, de ginastas, de corredores, de lutares, de nadadores, e etc.

E no caso de atleta, que realmente tenha foco num objetivo maior, e não pertença a um clube, que tenha a ousadia pessoal de ir em busca de patrocínio para tal, trabalhado facilitado ao ser sentido seu potencial pelo outro, então uma hora encontrará.

Não se obtêm resultados adequados sem investimentos também adequados, e são os empresários e os atletas que decidem entre a possibilidade de sucesso maior, ou por uma carreira medíocre fadada a sorte e ao acaso, pois é ingênuo demais quem acredita que pode se inspirar somente em exemplos de atletas e clubes doutras épocas que fizeram sucesso, pois a tecnologia e a psicologia entraram no mundo esportivo como diferencial competitivo no mundo já no século 20 e é pedra angular do sucesso agora no século 21, e sobre isso, mesmo que a boa vontade esteja plena, ela por si só não bastará para competir com aqueles que também têm boa vontade, mas que também têm a disposição as ferramentas da tecnologia e da psicologia como apoio.

Brasil está bem atrasado intelectualmente a esse respeito, tanto que os resultados das competições internacionais, seja dos Jogos Olímpicos, seja exclusivamente de futebol e não somente na Copa do Mundo, deixam claro através dos resultados obtidos o que queremos alertar aqui. Tanto que, no caso do futebol, temos perdido espaço, ano após anos, de sermos nomeados até como o país do futebol.

Enquanto isso, temos gente que acredita que basta ter um campinho para treinar e jogadores iniciantes com certo talento dispostos a tal, que exitem chances de ser torna estrela a concorrer, feito naqueles filmes que retratam a vida de jogadores de outrora.

Isso é jogar na loteria, depender da sorte e desperdiçar talentos, os quais precisariam ser moldados e ampliados o potencial e não viverem num “banho maria” de sonhos e esperanças, e achar que se é um atleta ou jogador do século 21, por pertencer a um time somente.

Vamos ajudar nossos atletas e dirigentes de clubes a amadurecerem enquanto empreendedores de carreiras que são, entendendo que sem tecnologia e nem o trabalho de coaching de um psicólogo do esporte, as possibilidades de sucesso são ínfimas ou desproporcionais ao que podem alcançar com profissionais de suporte adequados.

Além de tudo isso, faz-se necessário que o governo investia pesadamente em esporte nas escolas, não apenas nas clássicas aulas de educação física como tem ocorrido, precisando profissionalizar mais este panorama, pois é aqui que germinam os futuros esportistas de sucesso, além de investimentos em programas esportivos profissionais nos bairros.

Temos muito que evoluir esportivamente ainda no Brasil, o qual caminha atrasado por décadas, tendo os resultados que está tendo, confirmando isso tudo.

(conteúdo trabalhado em minha palestra ESPORTE & PSICOLOGIA: um casamento perfeito e necessário) by Carlos Alberto Hang, jornalista SC03991, coach e psicólogo.

Facebook Comments

About Carlos Alberto Hang

Carlos Alberto Hang
CARLOS ALBERTO HANG: Escritor e jornalista (03991/SC) também com formação em Psicologia, Filosofia, História, Teologia, Psicopedagogia, Letras e Literatura, Gestão de Pessoas, Gestão de Marketing, Gestão Ambiental, Psicologia do Esporte, Psicanálise, Psicologia Clínica e Comportamental, Nutrição Clínica e Funcional, Coaching, Recursos Humanos,Jornalismo Digital, Logística, Adm. De Hotéis, Relações Internacionais, Promoção de Saúde e Prevenção de Drogas, Gestão na Administração Pública, Técnico de Segurança do Trabalho, Piano, Linguagem Musical, História da Música, Gastronomia, Inglês, Italiano e Espanhol, é Embaixador pela Cercle Universel des //Ambassadeurs de la Paix (Genebra/Suíça), é Cônsul de Joinville - Instituto Internacional Poetas del Mundo, detentor do Oscar Brasileiro by Grupo Jornalístico Ronaldo Côrtes de São Paulo e membro honorário imortal da Academia de Ciências, Letras e Artes de MG na cadeira 148. Instagram: @carlosalbertohang Twitter: @hangjornalista FACEBOOK: @opiniaodeumlivrepensadorbyHANG. Só permitida a veiculação ou uso do texto acima mediante a nomeação do jornalista e autor do mesmo.
error: Todos os direitos reservados - Aconteceu em Joinville