Últimas notícias
Home » Mundo » ONG relata a segunda morte em protestos na Venezuela
VOGEL PAINÉIS
Matias Delacroix/Agence France-Presse — Getty Images

ONG relata a segunda morte em protestos na Venezuela

Compartilhe

Uma mulher identificada como Jurubith Rausseo García morreu na quarta-feira (1) durante os protestos na Venezuela, segundo informações da ONG Observatório Venezuelano de Conflito Social (OVCS).

Participe do Facebook  Aconteceu em Joinville – Clique Aqui

Siga-nos também no Instagram!  Aconteceu em Joinville – Clique Aqui!



Essa é a segunda morte da nova onda de manifestações contra o regime de Nicolás Maduro, iniciada na terça-feira (30) após o presidente autoproclamado Juan Guaidó declarar ter apoio de militares e convocar o povo às ruas em tentativa de derrubar o governo.

“Condenamos o assassinato da jovem Jurubith Rausseo García por impacto de uma bala na cabeça durante uma manifestação em Altamira (Caracas)”, disse a ONG, em sua conta no Twitter.

Na terça (30), Samuel Enrique Méndez, de 24 anos, morreu durante os protestos que ocorreram no estado de Aragua, no centro do país.

Mais de 50 pessoas ficaram feridas em Caracas durante as manifestações de quarta-feira. O número de feridos em todo o país desde terça-feira passa dos cem, segundo informações de sindicatos e agentes de saúde.

O sindicato dos trabalhadores da imprensa informou que dez jornalistas foram lesionados durante a cobertura dos protestos.

Já são “55 o número de manifestantes assassinados” em ações contra o governo de Maduro este ano, de acordo com a OVCS.

Maduro marcha ao lado das forças armadas

Imagens de militares venezuelanos divulgada pelo Ministério da Defesa do país — Foto: Divulgação / Ministério da Defesa da Venezuela

Imagens de militares venezuelanos divulgada pelo Ministério da Defesa do país — Foto: Divulgação / Ministério da Defesa da Venezuela

O líder Nicolás Maduro participou nesta quinta-feira (2) de uma marcha “ao lado dos sempre dignos e leais oficiais da Força Armada Nacional Bolivariana”.

De acordo com Maduro, 80% dos militares que estavam na base aérea Generelíssimo Francisco de Miranda, conhecida como “La Carlota”, se retiraram quando apoiadores de Guaidó chegaram na terça-feira (30).

“Quando viram a cara dos golpistas, a cara desse monstro o deixaram sozinho. Eles voltaram para suas bases de origem cantando suas marchas militares. Eles disseram não aos traidores, não aos golpistas”, afirmou.

Troca de acusações

Nicolás Maduro acusou na quarta-feira (1º) a oposição liderada por Juan Guaidó de querer iniciar uma guerra civil na Venezuela. Em discurso, o chavista ainda insinuou que os Estados Unidos poderiam ordenar invasão militar caso a tensão interna escalasse para um conflito armado. Com informações de Globo.com

About Redação

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do editor da revista. O portal de notícias Aconteceu em Joinville tem o compromisso de levar a informação a população joinvilense através de noticias da nossa região com agilidade e fidelidade aos fatos.
error: Todos os direitos reservados - Aconteceu em Joinville