Últimas notícias
Home » Carlos Alberto Hang » Opinião: Carlos Alberto Hang: Os primeiros dias de aula…
VOGEL PAINÉIS

Opinião: Carlos Alberto Hang: Os primeiros dias de aula…

Compartilhe

Adaptação é o que se enfrenta nos primeiros dias do ano letivo e não se trata de uma tarefa nada fácil para os elementos envolvidos. Primeiro dia da vida escolar, retorno ou mudança de escola, nova turma, novos professores, novos espaços físicos, as expectativas que o ano letivo apresenta, são alguns dos itens promovedores de imensa carga de ansiedade que este movimento todo produz.

Participe do Facebook  Aconteceu em Joinville – Clique Aqui

Siga-nos também no Instagram!  Aconteceu em Joinville – Clique Aqui!

ar na escola. Atrasos na hora de buscar a criança são imperdoáveis e podem provocar nela sentimentos conflitantes, aumentando a carga de insegurança e ansiedade.

 

Realmente pode não ser uma tarefa fácil para a criança se adaptar às regras escolares, bem como as rotinas, professores, horários e novos amiguinhos, pois tudo contribui para um cenário deveras assustador para a maioria dos infantes que se veem mergulhados num mundo estranho em dado momento em vias de adaptação individual e social.

 

Semanas antes do início das aulas os pais já devem conversar com a criança, empolgando-a a ir à escola e apresentando as atividades prazerosas que à esperam. E os pais também precisam se preparar para este momento de separação, pois se passarem insegurança e receio, poderá vir a ficar mais difícil para a criança se adaptar. Não são poucas as crianças que entram em pânico nos portões escolares ao verem seus pais indo embora, pois muitas não compreendem que eles realmente retornarão para pegá-las, até que se torne esta ação rotineira, gerando assim maior segurança. No caso de primeiro ano ou mudança de escola, ajuda muito levar a criança alguns dias antes para conhecer e se familiarizar com o ambiente escolar, bem como vir a ser apresentada à professora e direção, afirmando que estes adultos estarão à disposição dela enquanto seus pais não estejam presentes, sendo apoiadas por um sentimento de pertencimento.

Em casos especiais, quando a criança realmente tem problemas sérios em permanecer na escola, um dos familiares pode ficar alguns dias junto com a criança, mas evidentemente que não dentro da sala de aula, mas num espaço onde a criança poderá achá-lo em casos de pânico ou ainda para que ela se sinta segura por saber que estão por perto, o que dificilmente precisará ser feito mais do que um ou dois dias, salvo se a criança tiver algum problema mais sério de adaptação ou de ordem psicológica e que, sendo assim, precisará ser investigado por um psicólogo ou psicopedagogo.

Algumas crianças também têm problemas em firmarem laço social na escola, de adaptação das regras escolares, de orientação no novo espaço físico, insegurança em permanecerem com outros adultos, chegando algumas crianças a fantasiarem ações, como de estarem sendo maltratadas na escola ou de que os amiguinhos não gostam dela.

Em casos de grandes dificuldades de adaptação, a escola e/ou os pais devem buscar apoio com um psicopedagogo ou psicólogo, mas cuidando para que esta ação seja feita de maneira discreta, tanto para a criança, quanto diante dos demais alunos, pois este problema de adaptação deve ser tratado com naturalidade e não como algo que possa vir a ser de caráter estigmatizante. Algumas vezes, são nestes casos que se descobrem alguns problemas de ordem psicológica que podem e devem ser tratados evitando maiores problemas na vida daquela criança em suas demais fases de amadurecimento.

 

Os pais devem entender que: frequentar uma escola se faz necessário e é obrigatório por Lei mas a escolha da escola, mesmo que seja feita pelos pais, deve ter a participação ativa da criança, visitando a escola e conversando a seu respeito com a criança, tornando esta partícipe neste processo; devem os pais refletirem ao afirmarem que a criança não está se adaptando à escola quando, às vezes, são eles mesmos que estão com dificuldades de adaptação aos horários ou em deixarem a criança com outros adultos.

Lembrem-se de que, ao falarem com a criança, devem estar com os seus olhos na altura dos olhos da criança e nada de alto tom de voz ou discursos enfadonhos e ríspidos, mas palavras de conforto e segurança, deixando bem claro que sabem o que é melhor para ela e que compreendem o que elas estão sentindo.

A interação com o ambiente novo exige esforços de todos os envolvidos neste processo. Faz-se necessário que os professores promovam um acolhimento com calma dos novos estudantes e que suas próprias ansiedades não sejam repassadas para as crianças, tendo um contato mais diretivo com cada qual para que plantem sentimentos de segurança e que venham a representar as figuras dos pais que ali não estarão por algumas horas em todos os dias letivos.

 

A adaptação geralmente ocorre naturalmente se não for impositiva e tiver sido bem encaminhada. O professor deve ter ampliada sua empatia na recepção, sentindo os limites e ansiedades de cada criança.

É importante deixar claro aos alunos como funcionam as aulas, principalmente a respeito de horários e não devem quebrar a agenda de planejamento e horários nos primeiros dias, que pode desestabilizar o processo de confiança criado na criança.

 

 

A abordagem pedagógica deve estar alinhavada com a construção de segurança e sentimento de acolhimento amplo. Poderão promover brincadeiras para conquistar as crianças, mas durante esta ação devem prestar atenção na forma como cada qual atua sobre os jogos para entenderem melhor quem pode estar precisando de olhares mais atentos. Uma boa atividade é a de trazer cada criança ao foco da vez, questionando sobre sua individualidade, como o seu nome e os de seus pais, do que ela gosta de brincar, entre outras questões, além de buscar elogiar algo da criança e dizer o quanto ela é bem-vinda, sendo que tudo isso deve funcionar como uma ponte entre escola e família, sendo de grande valia para que ela sinta que o seu mundo familiar também está inserido no contexto escolar. Também é deveras positivo dar para cada criança uma lembrancinha do primeiro dia de aula (de preferência contendo nome da criança nele), sendo este objeto um elo simbólico que pode facilitar o vínculo do eixo familiar com o escolar, tendo a criança levado consigo algo físico, como se a escola fosse adentrar ao lar de cada criança através da representação que o objeto lhe confere. O interessante é ser feito o que for preciso para que a criança faça uma associação clara da escola com segurança, acolhimento e prazer em ali estar.

Muito importante colocar a criança como protagonista de sua própria mudança, seja diante da escolha da escola, comprando o material escolar e uniforme, seja conversando a respeito da escola e de tudo que envolve o universo escolar. Tenham todos um excelente ano letivo!!!

(Texto de autoria de Carlos Alberto Hang, psicólogo (CRP 11.931) e jornalista (03991), pós-graduado em psicopedagogia, especialista em Educação Infantil & Séries Iniciais; formado também em filosofia, história, letras, teologia, inglês, italiano, espanhol, trabalha com jornalismo desde 1994, ministrante de cursos e palestras, é Embaixador da Embaixada Universal da Paz – Genebra – Suíça – Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix, é Cônsul de Joinville – Instituto Internacional Poetas del Mundo, detentor do Oscar Brasileiro by Grupo Jornalístico Ronaldo Côrtes de São Paulo) e membro honorário imortal da Academia de Ciências, Letras e Artes de Minas Gerais na cadeira 148. Só permitida a veiculação ou uso do texto acima mediante a nomeação do jornalista e autor do mesmo.

About Carlos Alberto Hang

Carlos Alberto Hang
Carlos Alberto Hang, psicólogo (CRP 11.931/SC) e jornalista (03991/SC), pós-graduado em psicopedagogia, especialista em Educação Infantil & Séries Iniciais; formado também em filosofia, história, letras, teologia, inglês, italiano, espanhol, trabalha com jornalismo desde 1994, ministrante de cursos e palestras, é Embaixador da Embaixada Universal da Paz - Genebra - Suíça - Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix, é Cônsul de Joinville - Instituto Internacional Poetas del Mundo, detentor do Oscar Brasileiro by Grupo Jornalístico Ronaldo Côrtes de São Paulo) e membro honorário imortal da Academia de Ciências, Letras e Artes de Minas Gerais na cadeira 148. Só permitida a veiculação ou uso do texto acima mediante a nomeação do jornalista e autor do mesmo.
error: Todos os direitos reservados - Aconteceu em Joinville