Sabado, 16/10/2021
Joinville - SC

10 sinais para professores e pais de que a criança pode ter algum problema de visão

outubro 14, 2021
10 sinais para professores e pais de que a criança pode ter algum problema de visão
Compartilhar
Ouvir publicação

Pedir para sentar-se nas primeiras fileiras para enxergar melhor, cerrar os olhos para ver de longe, queixar-se frequentemente de dor de cabeça, coçar os olhos constantemente e desinteresse nas atividades escolares.

Esses são comportamentos na infância que sinalizam que a criança tem algum problema ocular e, portanto, professores e pais devem ficar atentos. Quanto mais cedo o diagnóstico, maior a possibilidade de correção ou tratamento. De acordo com levantamento*, do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), os erros de refração (miopia, astigmatismo e hipermetropia, que podem ser hereditários) não retificados são a principal causa de deficiência visual na garotada. No mês em que se celebra o Dia da Criança (12/10), o Dia do Professor (15/10) e o Dia Mundial da Visão (14/10), seguem dicas importantes para pais, com o auxílio dos professores, ficarem atentos.

Oftalmopediatra Dra Cassiana Parise

Para a região que inclui Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Venezuela, o documento do CBO estima em 23 milhões o número de crianças em idade escolar com “erros refracionais, que interferem em seu desempenho diário” (devido à dificuldade de aprendizado e de inserção social, e baixa autoestima). No Brasil, são 12,8 milhões entre 5 a 15 anos de idade com deficiência visual por erros de refração não corrigidos, conforme o levantamento “Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: Detecção e Intervenção Precoce para a Prevenção de Deficiências Visuais”, do Ministério da Saúde.

Além disso, outras disfunções, como catarata e glaucoma congênitos, comprometem a visão de forma grave. De acordo com o CBO, com base na estimativa da Agência Internacional de Prevenção à Cegueira, é possível considerar que no Brasil tenhamos 26 mil crianças cegas por doenças oculares que poderiam ter sido evitadas ou controladas precocemente.

A melhor estratégia, portanto, é prevenir, diagnosticar e tratar a queixa ocular logo no seu início. Assim, os cuidados devem começar na gravidez, esclarece a oftalmopediatra Dra Cassiana Parise. No pré-natal, o especialista diagnostica e acompanha condições nas gestantes que colocam em risco a visão do feto, como rubéola, toxoplasmose, sífilis e herpes.

Ao nascer ou logo na primeira semana do pós-parto, de preferência, os recém-nascidos precisam ser submetidos ao teste do olhinho. Ele é essencial para investigar males que exigem cuidado urgente, tais como catarata congênita (de maior incidência em bebês cujas mães tiveram infecção) e glaucoma congênito (um sinal é a fotofobia), além do retinoblastoma (tumor na retina). No prematuro, é impreterível o exame ocular nas primeiras quatro a seis semanas após o nascimento, ou 31 semanas de idade gestacional corrigida, para averiguação de retinopatia da prematuridade” (alteração grave na retina).

“Se estiver tudo bem com a visão, um exame completo deverá ser feito no primeiro ano de vida e daí em diante anualmente. Na pré-escola (dos 4 aos 6 anos) e na segunda infância (dos 6 anos até a puberdade), as crianças devem ser examinadas, porque nessa fase são comuns os casos de miopia (dificuldade de ver de longe), astigmatismo (a imagem é distorcida) e hipermetropia (objetos próximos ficam embaçados)”, reforça a médica.

Outra disfunção que pode afetar a capacidade de visual na infância é o estrabismo, o desalinhamento dos olhos, condição que atinge cerca de 5% da população infantil e tem diferentes formas: desvio para dentro (esotropia), desvio para fora (exotropia) ou para cima ou baixo (desvio verticais). “Vale lembrar que, até por volta dos seis meses, algum pequeno desvio dos olhos pode ser normal. Contudo, se permanecer depois dessa idade, o oftalmopediatra deve ser consultado.

Com a falha, os olhos não focam a imagem no mesmo sentido, ao mesmo tempo, o que pode levar à diminuição da capacidade de enxergar, perda da percepção de profundidade e visão dupla. Daí a importância de iniciar a correção precocemente, com o tratamento adequado em cada caso, que inclui o uso de óculos especiais, tampão, exercícios para os olhos ou cirurgia”, enfatiza a oftalmologista, acrescentando que qualquer alteração expressiva na cor dos olhos após o primeiro ano de idade deve ser motivo de visita ao oftalmopediatra.

Nas aulas ou em casa, fique de olho se a criança:

  1. Pisca ou esfrega os olhos com frequência – O motivo talvez seja erro de refração (miopia, astigmatismo ou hipermetropia), reação à alergia (por diferentes fatores) ou a algum corpo estranho no olho, ou tique por ansiedade, estresse. O ideal é consultar oftalmopediatra.
  2. Fica desatenta às atividades escolares – Crianças com problema de vista costumam perder interesse por atividades em sala de aula, evitar ler, desenhar, jogar ou fazer outros projetos que precisam de foco de perto. Elas podem ser sutis sobre isso e não falar sobre o que estão sentido.
  3. Tem manchas no branco do olho – Vermelha brilhante sugere hemorragia na conjuntiva (membrana que reveste a parte posterior da pálpebra e a parte branca do olho). Provavelmente um vaso se rompeu, normalmente, sem danos maiores. Mancha cinza indica alteração benigna, mas deve ser examinada por oftalmologista. Às vezes, é decorrente de anemia. Mancha marrom geralmente é nevo ou sarda. É mais comum em pessoas com cabelos ou olhos escuros, porque produzem mais melanina. Um nevo por si só não aponta anormalidade, porém a criança deve ser acompanhada por oftalmologista.
  4. Tem olhos desalinhados – um olho pode estar fixando para frente, enquanto o outro, para dentro, para fora, cima ou baixo. Assim os olhos não fixam exatamente na mesma direção ao mesmo tempo. Se não for resolvido, há risco de perda de visão no olho com desvio.
  5. Olhos dilatados ou pupilas grandes – É comum que as pupilas das crianças pareçam maiores do que as dos adultos, principalmente nos olhos claros expostos à luz natural ou artificial. Certos medicamentos afetam o tamanho da pupila. Por exemplo, os fármacos receitados para transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (o TDAH). Se uma pupila parece consistentemente maior do que a outra ou há dúvida, consulte oftalmopediatra.
  6. Desconforto ou coceira – A coceira e/ou desconforto costuma ser condição temporária associada a alergias. Pode ser acompanhada de lacrimejamento e/ou sensação de queimação e/ou pálpebras inchadas. Se a queixa for acompanhada de vermelhidão e secreção pegajosa, desconfie de conjuntivite. Evite que a criança crie o hábito de coçar os olhos, porque isso é prejudicial à córnea e pode produzir ceratocone, alteração grave na visão.
  7. Dorme com os olhos abertos – Quando as crianças entram em sono profundo, é comum que seus olhos se abram um pouco e até se movam. Isso geralmente não deve ser motivo de preocupação. Se costumam dormir com os olhos abertos em local com ar condicionado ou ventilador, os olhos podem ficar secos, vermelhos ao acordar. O oftalmologista receita, se necessário, pomada ou colírio para manter os olhos suficientemente úmidos e evitar danos à córnea.
  8. Apresenta crosta ou gosma nos olhos – A secreção do olho pode secar nas pálpebras e nos cílios e formar crostas. A inflamação das bordas das pálpebras (blefarite) e nas glândulas sebáceas das pálpebras podem ser o motivo. O entupimento do canal lacrimal também forma crostas. Nesses casos, é preciso consultar oftalmopediatra.
  9. Inclina a cabeça ou cobre um olho – Isso acontece porque a criança sente necessidade de ajustar o ângulo para uma melhor visão. A consulta a oftalmopediatra vai esclarecer se o comportamento é decorrente de desalinhamento dos olhos, olho preguiçoso (ambliopia) outra disfunção. Inclinar a cabeça também pode ser hábito por erro de refração. Algumas crianças com astigmatismo viram o rosto para o lado para ver com mais clareza.
  10. Passa muito tempo diante de telas – Observe se a criança passa horas diante de telas e pouco tempo em ambientes ao ar livre sem exposição à luz solar (nos horários recomendados por pediatras e dermatologistas). Esse hábito prejudica a saúde, inclusive ocular, como, por exemplo, eleva o risco de desenvolver ou agravar miopia. Isso já foi constatado em diferentes estudos internacionais. O mais recente, publicado na revista científica The Lancet, aponta que, com o necessário confinamento na pandemia da Covid-19, crianças e jovens de 5 a 18 anos apresentaram um aumento médio na miopia de 40% entre 2019 e 2020. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) tem publicação sobre o tema para o público leigo: o “Manual de Orientação #MenosTelas #MaisSaúde”.

Fontes: oftalmopediatra Grupo Opty e Academia Americana de Oftalmologia.

*“As Condições de Saúde Ocular no Brasil 2019” do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Block